Porque o mais provável é ninguem ligar ao que tens a dizer...

quinta-feira, julho 26, 2007

Rafaela Fernandes- Best of, B-sides and rarities

“Na Madeira já não basta ter cartão laranja, agora é preciso competência”
In, Noticias da Madeira 2006 (alguém que me elucide da data...)

"As mulheres madeirenses já não precisam de ir a Espanha para realizar um aborto. Agora já podem realiza-lo em Lisboa ou no Porto que a viagem é mais barata".
In ,Telejornal RTP-Madeira 14/07/2007

"a função das mulheres é a procriação"

"(...)passar um atestado de menoridade e de ignorância às mulheres madeirenses que não precisam desta lei para tomar uma decisão destas», pois «quando precisavam de fazer abortos iam lá fora.».
in, Assembleia Legislativa da Madeira 24/07/2007

“Acha que alguma adolescente se dirige a um hospital público? O aborto clandestino sempre houve. As clínicas espanholas sabem muito bem porque estão a investir em Portugal.”
In, DN-Lisboa 28/07/2007

Etiquetas:

2 Comments:

Blogger stanica said...

Aquando do referendo e seu parecer favorável por vontade popular, pensei que a hipocrisia política relativamente ao assunto iria finalmente cessar e levar-se a sério o que há muito se evitava ou se tentava adiar.

Uma vez mais e para grande espanto meu, onde acreditei não poder haver mais polémica, eis que surge invariavelmente o líder regional madeirense numa das suas sempre controversas aparições, dizendo que na Região não aplicaria a lei e que mandá-la-ia para fiscalização. Com o argumento de que na Ilha o "Não" havia vencido, logo não teria que aplicar a lei.

Ainda que polémico, o senhor em questão, não parece ser burro, sendo que a sua formação académica é o Direito, este sabe perfeitamente que terá que aplicar a lei da interrupção voluntária da gravidez na região. Porquê ganhar tempo com um resultado por todos sabido? Politiquices?

Como madeirense incomoda-me profundamente estar incessantemente a ouvir o nome da Madeira nos media pelos disparates políticos que saem da boca deste senhor...

É indubitável que o Tribunal mandará a região aplicar a lei. Do mesmo modo que é por todos sabido que independentemente da região portuguesa em causa, os abortos já eram praticados sem se ter que fazer a viagem a Espanha. A clandestinidade foi sempre uma realidade, e a ignorância ou má vontade política também no que concerne a esta temática!

E assim continuamos a fazer política em Portugal... E uma vez mais, plagiando quem já o disse: "cada sociedade tem a classe política que merece"!!!!

26/7/07 21:10

 
Blogger Artigos & Urtigas said...

Olá stanica.
"cada sociedade tem a classe política que merece"
> e ainda bem que assim é. Pelo menos a nível regional estamos bem servidos! :)

Stanica said "Ainda que polémico, o senhor em questão, não parece ser burro, sendo que a sua formação académica é o Direito, este sabe perfeitamente que terá que aplicar a lei da interrupção voluntária da gravidez na região." > E o AJJ também sabe que a aplicação da lei viola os estatudos autonómicos da Região, uma vez que o governo central, ao mandar aplicar às cegas a lei na Madeira, sem consultar o Governo Regional, impõe custos que não estavam orçamentados!!! Esta foi a razão pela qual a lei foi mandada para fiscalização!

"Como madeirense incomoda-me profundamente estar incessantemente a ouvir o nome da Madeira nos media pelos disparates políticos que saem da boca deste senhor..."
> Eu não vejo onde andam os disparates! (esquecendo os exageros de língua!) Devias era dizer que como portuguesa, incomoda-te o facto de o governo central andar a perseguir a Madeira e o AJJ! Como é que é possível não se consultar o Governo Regional?! Numa altura em que todos deviamos estar a lutar por mais autonomia o governo central não consegue respeitar os estatutos já acordados!
A Madeira precisa de mais autonomia para, como tu dizes stanica, não estarmos "tão" dependentes das decisões daqueles políticos que os outros merecem!

Bjinhos :)

10/8/07 05:43

 

Enviar um comentário

<< Home

 
Free Web Site Counter
Hit Counter