Porque o mais provável é ninguem ligar ao que tens a dizer...

segunda-feira, abril 09, 2007

Santos da casa.....

Coloco aqui na íntegra uma carta do leitor que hoje vem no Diário de Noticias da Madeira:

Numa conversa de café, com um amigo de um amigo, oiço estarrecido o que configurou ser uma daquelas cenas de fantasia americana: o amigo do meu amigo era um dos elementos da equipa de marketing - parece que constituída por cinco indivíduos - que há já algum tempo se fixaram na Madeira com tudo pago, até ao dia 6 de Maio, mais um 'cachet' chorudo, para se ocuparem da imagem de um pretenso candidato a governar a Madeira.O problema maior, dizia ele, não seria o de escrever os discursos que o candidato em cada momento vai lendo, ou usando como guião, nem sequer o dinheiro - porque eles têm muita massa para gastar -, o problema é mesmo a imagem atarracada do candidato que lá vão tentando disfarçar com fatos escuros e camisas brancas. Nos cartazes sempre vão maquilhando e disfarçando com retoques de computador, o pior é que, mesmo com a ideia de o candidato ser servido por um formal Mercedes preto, quando sai do carro não lhe conseguem disfarçar o aspecto pequenote e com falta de porte à altura da sua ambição. Aí também o Jardim lhe ganha com grande vantagem. Perante o aspecto jovem do 'especialista' perguntei-lhe: - Você é formado nas áreas da comunicação? Apesar de ser ainda jovem, já deve ser experiente nestas andanças. Qual não foi o meu espanto quando dei conta que de facto era formado, mas em Direito, tendo aceite esta aventura por estar sem emprego e ter sido convidado também por um jovem amigo da JS nacional para ganhar uns trocos na Madeira.

Independentemente da credibilidade do texto proponho dois pontos de reflexão:

Primeiro: Pondo de parte as questões de eficácia das campanhas a nível de influência na decisão de voto, pergunto até que ponto é viável a transposição para a realidade regional de modelos de marketing político que não têm em conta as especificidades locais.

Segundo: Como é que é possível por na mão de indivíduos que, além da falta de formação na área, desconhecem de todo os mecanismos de funcionamento da sociedade madeirense, a imagem de uma candidatura?

Não sou apologista de um retorno ao senso comum enquanto fonte priviligeada de descodificação da realidade, mas neste caso, antes a aplicação do que diz a intuição do que a tentativa de implementação de tipos-ideais, no sentido weberiano do termo, sem ter em conta o contexto e objecto de aplicação.... Tipos-ideais são prototipos perfeitos de uma realidade, servem apenas de paradigma de comparação e análise. Dois erros então, não perceberam que a musica aqui era outra, e que o vinil é contaminado por aquele ruido de fundo que lhe dá alma, longe da natureza asséptica do som digital....

5 Comments:

Blogger Ricardo said...

Caro MB,

Por mais "especialistas" de Marketing que sejam utilizados nas campanhas eleitorais continuo a achar que políticos sem conteúdo ideológico e preparação não conseguem ser eleitos.

Apesar do que disse, sem querer contradizer-me em apenas dois parágrafos, acredito que muitos políticos são eleitos com falta de preparação mas não por causa das "modernas" técnicas de Marketing mas mais por causa das antigas, ou seja, o carisma, a presença, o contacto com as pessoas, entre outros.

Dito isto continuo à procura dos aspectos realmente importantes numa eleição sem esquecer que os outros, apesar de acessórios, têm importância num contexto altamente mediático e mediatizado.

Abraço,

10/4/07 01:50

 
Blogger Cláudio Torres said...

Caro MB,
tornar pública uma conversa pessoal, ainda para mais abordando terceiros, na praça pública é para mim um sinal de total desconsideração e desrespeito pelas pessoas com que mantivemos tal partilha de opiniões. Nós podemos discordar, muitas vezes o faço, mas nunca exponho na praça pública, ainda para mais envolvendo outras pessoas.

São dos mais básicos princípios na nossa sociedade, na relação entre os indivíduos. Você demonstrou estar totalmente desenquadrado da realidade.

É bem reveladora do seu carácter.

Cláudio Torres

10/4/07 23:44

 
Blogger MB said...

caro claudio torres, por erro meu esqueci-me de citar o autor da carta, não fui eu, aliás se atender ao conteúdo, do post verá que é critico em relação a tal atitude. Só não entrei mais pela questão da falta de ética profissional do individuo porquê em termos de credibilidade não valorizei a carta. aproveitei-a apenas a pretexto da aplicação na região de modelos de um modelo de marketing politico, na minha opinião desajustado a realidade regional.

Saudações

11/4/07 00:44

 
Anonymous Anónimo said...

Vou apenas comentar o segundo ponto.
Uma das grandes vantagens, senão a maior, da formação académica, é que esta permite a qualquer individuo adaptar-se com sucesso a inumeras situações. Por essa razão vemos os bancos repletos de funcionários com formações que nada têm a ver com a economia, finanças ou gestão. Ou mesmo os casos de pessoas com formação em direito ou engenharia (nada podia ser mais diferente que estas duas formações) a desenpenahr funções de gestão.
Em tudo isto não podemos desvalorizar a experiencia adquirida ao longo da vida e nas actividades desempenhadas.

Tino

11/4/07 06:55

 
Blogger Cláudio Torres said...

MB,
dou a palma à palmatória. A introdução do post dava a entender que tinha sido o autor. Fica feita a rectificação.

Quanto ao marketing, de facto, considero importante conhecer muito bem todo o meio politico regional, no global a sociedade madeirense para se aplicar um modelo. Também é verdade que esta equipa do exterior, que se repete, trouxe novos elementos para as campanhas política na RAM. E com inegáveis sucessos. Outra, é a experiência acumulada pela equipa, que se mantém ao longo destes anos.

De qualquer forma, os resultados dependem é da imagem já existente dos candidatos. O marketing limita-se a moldar e a limar algumas arestas...

11/4/07 14:20

 

Enviar um comentário

<< Home

 
Free Web Site Counter
Hit Counter