Porque o mais provável é ninguem ligar ao que tens a dizer...

sábado, março 24, 2007

Uma aposta na Cultura?


Nos últimos tempos, e julgo que não numa perspectiva altruísta, as Revistas e Jornais portugueses têm apostado na vertente cultural dos leitores portugueses. A maior novidade agora é que o suplemento seja ele um DVD, um CD ou um livro vem como oferta. Parece que numa corrida ás tabelas de vendas, os leitores estão a ser deveras beneficiados com estas iniciativas.
Aplaudo a iniciativa, ainda que não acredite que esta se baseie num altruísmo empresarial da imprensa escrita portuguesa. Mas é positivo e espero que com repercussões igualmente positivas. Pelo preço normal de um jornal ou de uma revista, temos acesso a algo mais.
E a este propósito acabei por ser surpreendida. Numa das revistas que comprei a oferta era o filme “Frida Kahlo”. Já conhecia a história da pintora mexicana, inclusivamente já fui a uma exposição das suas obras, que teve lugar em Lisboa no CCB. A surpresa, contudo, foi outra. Sou obrigada a retirar tudo o que até hoje havia dito sobre a actriz principal do filme, Salma Hayek. Fui sempre muito crítica do trabalho desta actriz, uma vez que no meu entender todos os filmes em que participa, para além de não serem grande coisa, nunca revelaram grande talento da mesma, exceptuando a sua beleza natural óbvia. Deste modo, creio que Salma Hayek teve um desempenho fabuloso, encarnando a personagem de forma verdadeiramente real. A sua performance arrepiou-me. Todo aquele talento parece ser inato, por isso não compreendo porque só faz papéis merdosos (perdoem-me a expressão) em Hollywood?!
Para quem nunca viu o filme aconselho vivamente que o faça.
E já agora, partilho convosco um dos meus quadros preferidos de Frida Kahlo.

quarta-feira, março 21, 2007

Está aí alguem?

Braga nem por uma canudo... Lisboa parece ter aplicado um corte de 2% nas contribuições ao blog, em Munique deve estar frio nesta altura do ano, e para a zona Oeste o homem do desporto deve andar ocupado a fazer contas a ver se o Sporting ainda chega lá....
Vá lá, tragam um pouco de pluralidade a este blog antes q eu o vire completamente à esquerda!:D

segunda-feira, março 19, 2007

Borbulhas? Usa Clearasil! É como se o vento as levasse!!


quinta-feira, março 15, 2007

A Leste do Paraíso


É um daqueles dias de “Leste”, em que o vento sopra quente e a linha do horizonte desvanece-se. Peculiaridades da ilha… Ainda há dois dias nevava e agora o vento do deserto saúda-nos com o seu toque inconfundível. Imagino que terá sido num dia como este que Zarco desembarcou. A ilha oculta na bruma do vento leste, surge como um fantasma ao longe… do ponto de vista da ilha os fantasmas são os navios num horizonte indefinido, com as suas formas distorcidas…

segunda-feira, março 12, 2007

Rua da Alegria de muitos, Rua da Tristeza de algumas....

A prostituição de rua é um fenómeno que não pode ser ignorado na região. Nos últimos anos temos assistido a um crescendo inegável de mulheres que pelas mais diversas razões vêm-se obrigadas a enveredar por trajectos excludentes. A prostituição é um fenómeno social que tem atravessado séculos, ora consentida, ora reprimida e perseguida, em nome da moral e bons costumes e da saúde pública, ora readmitida e tolerada de forma a evitar mal maior, logo ,tida como um mal necessário.
Ao lado de todas as explicações para essa profissão, e dos preconceitos em torno de quem a pratica, não existe uma intenção clara de erradicar a prostituição. A luta de forças parece dar-se no terreno da reclusão das mulheres em zonas, especificas do tecido urbano conotadas com tal prática. Essa prática seria um "mal necessário", parte integrante de sociedades forjadas na desigualdade de bens e consumo.
No entanto, encarar tal problema como um “mal necessário” não implica ignorar a sua existência., há que criar condições para que estas mulheres quebrem o ciclo vicioso de exclusão em que caíram, transformando-o numa espiral ascendente de integração. O primeiro passo no sentido da integração, passa pelo diagnóstico da situação. Empiricamente, constatamos que de dia para dia o numero de prostitutas de rua aumenta na região, existindo ruas sobejamente conhecidas por serem as principais montras desse negocio degradante para a mulher. Há que perceber as necessidades que movem essas mulheres de forma a encontrar ferramentas de intervenção que permitam a devolução da dignidade que lhes assiste.
A prostituição sempre carregou e continua muito próxima a outros problemas subjacentes, crime, droga, tráfico de mulheres, pobreza, desemprego. È também sinal da crise que se instala, com a falta de acesso ao mundo do trabalho, os sujeitos a quem é vedada a entrada licita no mercado de trabalho, a médio prazo tendem a enveredar por vias ilícitas e degradantes da condição de cidadão de plenos direitos. Tal facto é agravado pela falta de respostas institucionais e politicas sociais que acautelem o surgir de tais fenómenos. È por isso urgente a criação de uma equipa multidisciplinar que analise a abrangência do fenómeno na região, fazendo um estudo profundo dessa realidade encoberta. Tal diagnóstico é necessário no sentido de implementar medidas efectivas adequadas as características especificas do grupo em questão.
Vários estudos apontam que os centros de prostituição têm maior incidência em zonas comerciais e turísticas com implicações ao nível da insegurança e degradação da qualidade por via das questões subjacentes, referidas anteriormente. Não é de hoje que lazer, turismo e sexo estão relacionados, vários destinos a nível mundial, carregam o estigma de destinos de turismo sexual, tal conotação, é extremamente danosa levando em ultima estância a um decréscimo na procura do destino por via da degradação da oferta advente do elemento estigmatizante.
Apesar de estar convictos que na região ainda não atingimos tais níveis, corremos o risco, se a actuação não for imediata, de assistir a um aumento exponencial da oferta. Margarida Barreto (1995) define o turismo como “ uma actividade em que a pessoa procura prazer por livre e espontânea vontade. Portanto, a categoria de livre escolha deve ser incluída como fundamental no estudo do turismo”. Tal definição acentua o carácter hedonístico associado ao turismo, Se não agirmos sobre a oferta a procura aparece, dando azo a uma economia paralela q poderá degradar o destino Madeira a médio prazo. Por conseguinte, esta é a altura ideal de intervenção, procurando conhecer as razões que conduzem a tal opção de vida de forma a combate-las, eliminado de raiz as causas que levariam a pessoa a optar por tal via desesperada de sobrevivência económica. Não falo de repressão mas de integração, combater as causas, não as vitimas. Dar oportunidades, não impor vontades!

sábado, março 03, 2007

The Strokes "Barely Legal"

">

 
Free Web Site Counter
Hit Counter